Comitê Tubarão faz saídas a campo para monitoramento e análise das águas

Diante da necessidade de monitoramento contínuo das águas que abastecem a região, por conta da estiagem prolongada e como consequência a intrusão da cunha salina, membros do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tubarão e Complexo Lagunar têm realizado saídas a campo para coleta e análise de dados.

Nos dias 27 e 29 de maio, foram realizados registros de três saídas a campo, duas delas tendo como percurso os rios Tubarão e Capivari e em uma terceira, a Lagoa de Imaruí.

No dia 27, com o apoio da Defesa Civil que cedeu embarcação e piloto (Sgt. Robson) eles percorreram o trecho compreendido entre o Clube 29 de Junho e a passarela em frente à Unisul. Isso resultou em análise de amostras de 11 pontos no Rio Tubarão e 2 do Rio Capivari.

No dia 29, a saída a campo contou com o apoio da Polícia Ambiental de Santa Catarina, percorrendo o trecho que foi da Foz do Rio Tubarão, na Lagoa Santo Antônio, até a passarela, na Unisul.

Na oportunidade, percebeu-se uma uniformidade de indicadores até chegar ao ponto onde está sendo construída a nova ponte, na Rua Uruguai, próximo ao Farol Shopping, o que confirma que os dados de jusante e montante recebem influência da obra de ensecadeira para a fundação da ponte, por servir como barreira do avanço da cunha salina.

Ainda no dia 29, a coleta e análise de dados da Lagoa de Imaruí, incluindo Mirim, pontos do Rio D´Una e área de captação da ETA (Estação de Tratamento de Água) de Imbituba, percebeu-se o avanço da intrusão da cunha salina em direção à ETA.

Em todas as saídas a campo é utilizada a Garrafa Van Dorn, equipamento adquirido pelo Comitê Tubarão e Complexo Lagunar, que permite a captação e análise de águas mais profundas.

“É indispensável continuarmos o monitoramento, análise de dados e seus reflexos”, afirmou o presidente do Comitê Tubarão, Francisco de Assis Beltrame, que participa das visitas, juntamente com o secretário executivo do Comitê, Patrício Higino de Mendonça Fileti e o Eng. Rafael Marques.

A saída a campo do dia 29 em Tubarão contou ainda com a participação dos membros do Comitê representando o Sindicato Rural de Tubarão, Maicon dos Reis Soares e o engenheiro da Agência Reguladora de Águas de Tubarão, Rafael Marques, além do comandante da Polícia Militar Ambiental, tenente Fernando Magoga, e de equipe da Polícia Ambiental, do gestor coordenador de proteção e defesa civil de Tubarão, Murilo Damian Ribeiro, do técnico estagiário Rodrigo Santos e do vereador de Laguna, Peterson Crippa da Silva.

 

LEGENDA DAS FOTOS:

Figura 1 – Apoio da Defesa Civil de Tubarão com o emprésti

mo da embarcação.

Figura 2 – A fotografia objetiva mostrar a equipe que foi embarcada para fazer a coleta. Observa-se também os equipamentos utilizados: Garrafa e Van Dorn e Condutivímetro.

Figura 3 – Apoio da POLÍCIA AMBIENTAL, sediada em Laguna, com o empréstimo da embarcação e estrutura operacional, nesta parceria com a PMA o Comitê contribuiu com os custos do combustível para a diligência em questão.

Figura 4 – Esta imagem nos mostra a intervenção com as obras de ensecadeira para permitir obras de fundação da ponte, embora com um estreito canal, formatam uma espécie de barramento no curso d´água.

Figura 5 – Vista da foz do Rio Tubarão em se desemboco na Lagoa de Santo Antônio em Laguna

Figura 6 – Vista da passarela defronte à UNISUL em Tubarão, fim da incursão pelo rio motivada pela presença de um banco de areia ou seixo quase aflorante, a jusante da passarela, que impossibilitou a embarcação de avançar.

Figura – Nesta foto alguns membros da diligência – tirando a selfie Francisco Beltrame, Rafael Marques (que ficou sexagenário neste dia) e o Tenente Magoga, Comandante da PMA que fica mais uma vez nossos agradecimentos.

Figura 8 – Coleta de água na Captação da ETA de Imbituba, no Rio D´Una.

Figura 9 – Esta imagem mostra os membros do Comitê (Francisco e Patrício), após as coletas de água no ponto P4-Rio D´Una_Ponte de Imaruí, ao fundo, a foz na lagoa do mirim.