Presidente do Comitê Tubarão esclarece ações recentes em entrevista à Rádio Bandeirantes

Presidente do Comitê Tubarão esclarece ações recentes em entrevista à Rádio Bandeirantes

O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tubarão e Complexo Lagunar, Francisco de Assis Beltrame, concedeu entrevista à jornalista Vera Mendonça (Rádio Bandeirantes) no dia 3 de junho, para esclarecer como está o processo de avanço da cunha salina no Rio Tubarão. Um dos pontos abordados foi sobre a importância do equipamento adquirido recentemente – a Garrafa Van Dorn – necessário na medição de águas profundas. O equipamento está sendo utilizando com frequência para monitorar o avanço da cunha salina no Rio Tubarão, através da condutividade elétrica.

O presidente esclareceu que o uso do equipamento é algo diferenciado e único na região, por isso a importância de sua aquisição, contribuindo de modo significativo neste momento em que há uma demanda de monitoramento constante das águas, embasando a tomada de decisões. O equipamento tem sido disponibilizado também a outras entidades com a mesma finalidade.

Na sequência, ele atualizou informações sobre o avanço da cunha salina, que já atingiu o local de captação de água. “Há um nível de controle constante da Tubarão Saneamento, para liberar a distribuição de água à população, e a salinidade atual não impede o tratamento. No entanto, pode haver um reflexo ao consumidor, no que diz respeito a equipamentos como chuveiros e torneiras elétricas. O tratamento para retirar a salinidade seria um tanto oneroso. De qualquer forma, a empresa não suspendeu a coleta de água, como ocorreu em outros municípios, o que não significa que não exista o risco por conta do período de estiagem”, explicou.

Sobre a possível construção de uma barragem no Rio Tubarão, a fim de frear o avanço da cunha salina, o presidente esclareceu que estão sendo aproveitadas as obras na área central do rio, minimizando o problema. No entanto, isso traz reflexos com problemas de salinidade a outros pontos, como a captação de água da empresa Engie. “De qualquer forma, esse barramento é temporário. Outras obras específicas para esta finalidade precisariam respeitar alguns critérios e ainda estão em discussões, uma vez que implicariam na interrupção do curso do rio, por exemplo. A Tubarão Saneamento precisaria de uma alternativa para a captação e distribuição de água”, completou.

Esta alternativa foi motivo de debate em reunião no dia 2 de junho, entre o Comitê Tubarão, Tubarão Saneamento e Defesa Civil. Há uma possibilidade de se instalar um conjunto de bombas para trazer a água até a Estação de Tratamento de Água ou fazer um barramento próximo da captação a fim de impedir o avanço da cunha salina.

Beltrame reforçou à população que este é um dos problemas da estiagem, mas há outros. Na área rural, por exemplo, várias nascentes estão secando.

Ele encerrou a entrevista compartilhando orientações sobre como economizar água. O teor da entrevista também ocorreu na Rádio Cidade e Rádio Tubá.